Materiais exclusivos!

Pilates no tratamento de lombalgia

Você sabia que o método Pilates pode ajudar e muito no tratamento de lombalgia? A lombalgia é uma das principais disfunções que afeta as pessoas no mundo moderno. Quer saber como pode ajudar seu aluno a se recuperar da lombalgia?

Pilates no tratamento de lombalgia

pilates-no-tratamento-de-lombalgia

Pilates no auxílio de dor lombar

A dor lombar é de longe umas das maiores queixas do mundo moderno, não é à toa que o ocupada o 1º lugar na lista de incapacidades, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). O Pilates no auxílio de dor lombar (ou Pilates para lombalgia) é uma possível solução para esse problema.

Ainda segundo a OMS acredita-se que cerca de 80% das pessoas terão dores nas costas, isso quer dizer que 8 a cada 10 sentirão durante a vida alguma queixa de dor na coluna.

Com base nisso, além de refletir em incapacidade, pode ser considerado um problema de saúde pública, devido aos gastos por ano, afastamento do trabalho, elevado número de aposentadorias e baixa produtividade (Alsufiany et al., 2020; INSS)

Ressaltando que a lombalgia não é considerada como doença, e sim um sintoma. Que se define como uma dor localizada abaixo da borda das últimas costelas e acima da margem das linhas glúteas inferiores, com ou sem dor nos membros inferiores.

Leia mais sobre o assunto: Pilates contra a dor na lombar

A partir do problema que representa para a população mundial, é de suma importância tratamentos que amenizaram o quadro de dor. Como alternativa que apresenta boa aceitação e benefícios positivos. O  método Pilates é altamente indicado, pois propõe melhorar o quadro do paciente e restaurar a sua qualidade de vida.

Ao longo do texto iremos apresentar os sintomas e explanar o conteúdo sobre lombalgia, além de apresentar como o Pilates pode ajudar no tratamento, através de embasamento científico e exercícios para utilizar nas aulas de pilates.

Incidência de lombalgia

A dor lombar é uma condição que pode atingir cerca de 65% das pessoas anualmente e até 84% das pessoas em algum momento da vida, apresentando uma prevalência pontual de aproximadamente 11,9% na população mundial, gerando assim alta demanda nos serviços de saúde. É válido ressaltar que muitas pessoas com queixa de dor não procuram auxílio médico ou fisioterapêutico, como pode ser evidenciado por Ferreira et al., (2010), que menos de 60% das pessoas que apresentam dor lombar procuram por tratamento.

Etiologia (causa)

Como existe um grande número de estruturas na coluna há diferentes causas para a origem da dor. No entanto, a maioria dos casos está relacionado com sobrecarga das estruturas da coluna, como ligamentos, tendões, músculos, disco intervertebral, osso e articulações. Que estão relacionados a esforços repetitivos, excesso de peso, falta de atividade física; que podem resultar em degeneração dos discos intervertebrais e articulações.

A causa pode estar associada ao escorregamentos de vértebra, como nos casos de listeses, diminuição de mobilidade, encurtamentos musculares, que provocam limitações, principalmente em indivíduos que permanecem na mesma posição por longo período e assim sobrecarregando a coluna. Por fim, acabam provocando limitações na grande maioria dos movimentos diários e por assim sobrecarregando a coluna, ou também ocorre em pessoas que permanecem por muito tempo na mesma posição, como sentados, como exigem muitos trabalhos e até mesmo na posição em pé por longos períodos.

Todos esses motivos acabam sendo as grandes causas da lombalgia afligir a população mundial.

Classificação da dor

A lombalgia pode ser classificada de acordo a duração dos sintomas. Sendo dividida em 3 tipos, agudo, subagudo e crônico.

  • Agudo: início repentino, com duração menor que 6 semanas
  • Subagudo: duração entre 6 a 12 semanas
  • Crônico: duração maior que 12 semanas

Também pode ser também pode ser dividida de acordo com a presença ou não de lesão, e nesse caso separada em específica e inespecífica.

Especifica, ocorre em cerca de 2% da população, devido a patologia com sintomatologia que remete ao problema, nesse caso enquadram-se casos de hérnia, estenose e infecções. Pode estar associada, ou não, a dores de origem nervosa, como isquiático (lombociatalgia) que são as dores irradiadas para a região glútea, coxa, perna e/ou pé.

Já a lombalgia mais comum: a lombalgia inespecífica, representa a grande parte da dor referida por toda a população.

Ela é chamada de inespecífica, pois não é definido o que realmente está causando a dor, podemos dizer que não há nenhuma patologia associada que possa ser identificada como a causa da dor. Nesses casos está relacionada principalmente a problemas mecânicos, como posturas compensatórias e espasmos musculares.

Esse tipo de lombalgia define-se pela ausência de alteração estrutural, o sistema na maioria das vezes está desequilibrado e por isso sobrecarregado, ou seja, não apresenta estreitamento de canal, compressão das raízes nervosas e escoliose que justifiquem e possam levar a dor na lombar.

Essas ocorrências estão especificamente relacionadas à sobrecarga e esforços que geram contraturas, distensão e inflamação local. A falta de condicionamento físico e sedentarismo podem gerar dores fortes e transitórias.

Outro fator relacionado a causa inespecífica está associada ao tipo de trabalho adotado pelo indivíduo, como por exemplo, carregar peso de forma desconfortável, pode gerar contratura muscular; ou ainda posturas mantidas por longo período, como permanecer sentado, que gera encurtamento muscular e diminuição de mobilidade.

O sedentarismo também é visto como causador de dor na coluna, isso porque a falta de preparo físico leva a fraqueza e encurtamento muscular e; diminuição de amplitude de movimento.

E nesses casos muitas acabam tornando-se crônica, por se perpetuarem por longo período. A limitação do trabalho físico do paciente e a mudança de costumes do dia-a-dia pode gerar alterações psíquicas, que derivam em uma sensação de perda que sensibiliza o humor e o estado mental, podendo gerar descompensações emocionais, como irritação, depressão e ansiedade, que são muito comuns nos quadros de lombalgia.

Por isso é sempre importante que o profissional realize uma anamnese e avaliação física com o seu aluno, para identificar hábitos e costumes que possam estar afetando e relacionado com a saúde da coluna. Pois a rotina de cada pessoa interfere acerca da condição de dor que o paciente/aluno está passando.

Benefícios do método Pilates para o combate contra as dores na lombar

O método Pilates é uma alternativa para o tratamento de lombalgia, vários estudos tem revelado sua efetividade, como demonstrado por Cruz – Diaz et al., 2018, que avaliou a eficácia de 12 semanas de prática de pilates na incapacidade, dor e cinesiofobia em pacientes com lombalgia crônica inespecífica. Através dos resultados observados, notou-se diferença significativa entre os grupos controle e intervenção do Pilates, apontando eficácia no tratamento da incapacidade, dor e cinesiofobia.

Os exercícios são adequados de acordo com cada indivíduo, baseando-se na sua especificidade, respeitando a amplitude de cada movimento e dentro do limite tolerável de dor durante a execução.

Ressaltando, que todo tratamento deve ser orientado por um profissional da área da saúde, evitando sobrecarga, lesões e piora do quadro de dor.

É um tratamento terapêutico em que os exercícios têm a junção de práticas de força e flexibilidade com o propósito de manutenção e melhoria do equilíbrio muscular, desenvolvendo assim a estabilidade da região do tronco, quadril e coluna lombar.

Além de propor o fortalecimento das áreas abdominais, com exercícios são executados com poucas repetições ou também de forma isométrica, objetivando maior tempo de ativação muscular e realizados com muita concentração. Sendo assim, o intuito das aulas é aumentar a mobilidade das articulações, bem como aumentar a força muscular, reduzindo as dores na lombar e promovendo melhora na qualidade de vida.

Sendo assim é possível manter a coluna devidamente alinhada, suportando e redistribuindo as pressões impostas sobre ela.

Isso porque a dor na lombar está principalmente relacionada à incapacidade de estabilizar a coluna, a falta de controle dos músculos do tronco, e ativação do transverso do abdômen.

A melhora da flexibilidade pode repercutir na rotina e nas atividades da vida diária. O trabalho de alongamento dos músculos isquiotibiais e paravertebrais melhoram a mobilidade da cadeia posterior de tronco, tornando-se menos rígida e proporcionando maior liberdade de movimento, repercutindo na rotina diária e desempenho das atividades.

Exercícios de Pilates com movimentos da coluna para dores lombares

A seguir, alguns exercícios do método Pilates, que podem ser utilizados nas aulas para melhora dos sintomas e otimização do tratamento para essas dores.

Porém, é válido ressaltar que a prescrição de tais atividades e a sua supervisão devem ser feitas mediante avaliação de um profissional qualificado e com entendimento do quadro de seu paciente.

  • Exercício de mobilidade de coluna em extensão

Em DV, mantenha as mãos apoiados no solo, na linha das orelhas. As pernas são mantidas estendidas. Realize o movimento de extensão do tronco, durante a inspiração, empurrando as mãos contra o solo, aplicando a força nos braços. Expire retornando o tronco em direção ao solo  

  • Exercício de alongamento de cadeia posterior de tronco e de membros inferiores no cadillac

Em pé, de frente a barra torre, posicione 1 MI sobre o cadillac, mantendo estendido. As mãos são posicionadas na barra torre com os cotovelos estendidos. Expirando realize o enrolamento anterior da coluna, alongando a cadeia posterior de tronco e de MMII. Inspirando retorne do movimento articulando vertebra por vértebra.

  • Exercício de estabilidade de tronco no reformer

Com os joelhos apoiados sobre o carrinho do reformer, as mãos são mantidas apoiadas sobre a barra de madeira. Mantenha o crescimento axial, alinhamento da coluna e ativação abdominal. Expirando empurre o carrinho, mantendo o quadril estabilizado e coluna neutra. Feito isso, flexione 1MS e estenda o MI contralateral ao MS, lembrando de manter o alinhamento pélvico e estabilização de coluna. Mantendo essa posição, feche o carrinho e retorne a posição de 4 apoios

Quer ficar de olho em todas novidades sobre Pilates para coluna?

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.